Nosso refúgio e fortaleza

Nosso refúgio e fortaleza

Leia: Isaías 31.  Jeremias 40–42, Hebreus 4

Uns confiam em carros, outros, em cavalos; nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus. Salmo 20:7

Em agosto de 2004, o furacão Charley trouxe uma violenta destruição para certas áreas na Flórida, EUA. Durante o temporal, um jovem de 25 anos saiu do local onde estava à busca de proteção num dos seus lugares favoritos, um barraco debaixo dos galhos protetores de uma figueira-de-bengala. Mas a árvore caiu sobre o barraco e o matou. Algumas vezes, os lugares em que buscamos segurança podem ser os mais perigosos.

O profeta Isaías admoestou o rei de Judá, Ezequias, sobre esta verdade. Ezequias foi um bom rei, mas repetiu o pecado de seu pai Acaz, buscando segurança na aliança com um poder estrangeiro (2 Reis 16:7; Isaías 36:6). Em vez disso, ele deveria ter encorajado o seu povo a confiar no Senhor.

Ao buscar a ajuda do Egito, Ezequias mostrou que falhou em aprender com a história. O Egito havia sido tudo menos um aliado para Israel. Ezequias também se esqueceu das Escrituras. Ter muitos cavalos era contrário à determinação divina para o rei (Deuteronômio 17:16).

No final, Ezequias buscou a ajuda do Senhor (Isaías 37:1-6, 14-20). E Deus destruiu os invasores assírios de forma milagrosa (vv.36-38).

Judá cometeu o erro de valorizar as forças do Egito acima das forças do Deus vivo. Que sempre confiemos no “…nome do Senhor, nosso Deus” (Salmo 20:7).

 

Nenhuma vida está mais segura do que aquela entregue a Deus.