O melhor tipo de felicidade

O melhor tipo de felicidade

Leia: João 8:31-38 ;  Gênesis 20–22; Mateus 6:19-34

…Se vós permanecerdes na minha palavra, […] conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. vv.31,32

Quando eu era mais jovem, a expressão “todos fazem isso” parecia um argumento imbatível, mas não era. Meus pais nunca cederam, por mais desesperada que eu estivesse pela permissão para fazer algo que eles consideravam inseguro ou imprudente.

 

À medida que envelhecemos, somamos desculpas e racionalizações aos nossos argumentos para fazer ao nosso modo: “Ninguém se ferirá.” “Não é ilegal.” “Ele me fez isso primeiro.” “Ela não descobrirá.” Cada argumento diz que o que queremos é o mais importante de tudo.

 

Com o tempo, esta maneira errônea de pensar acaba se tornando a base para as nossas crenças sobre Deus. Uma das mentiras em que, por vezes, acreditamos, é que o centro do universo somos nós, não Deus. Pensamos que só seremos despreocupados e felizes quando reordenarmos o mundo segundo os nossos desejos. Esta mentira é convincente porque promete uma maneira mais fácil e rápida de conseguirmos o que queremos. Ela argumenta: “Deus é amor, portanto Ele quer que eu faça o que me fará feliz.” Mas este modo de pensar leva ao pesar, não à felicidade.

 

Jesus disse: aos que creram nele, que a verdade os libertaria verdadeiramente (João 8:31,32). E também advertiu: “Todo o que comete pecado é escravo do pecado” (v.34).

 

O melhor tipo de felicidade vem da liberdade ao aceitar a verdade de que Jesus é o caminho para uma vida plena e satisfatória.

 

Não há atalhos para a verdadeira felicidade.

por Julie Ackerman Link