Ministro da reconciliação

Ministro da reconciliação

Leia: 2 Coríntios 5:16-21 ; Gênesis 43–45; Mateus 12:24-50

Porque se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho… Romanos 5:10

O Dr. Martin Luther King Jr. lutou contra a tentação de retaliar contra uma sociedade rica em racismo ao pregar numa manhã de domingo, em 1957.

 

“De que maneira você ama os seus inimigos?”, ele perguntou à congregação. “Comece com você mesmo… Quando surgir a oportunidade de derrotar o seu inimigo, esse é o momento em que você não deverá fazê-lo.”

 

Citando as palavras de Jesus, o Dr. King disse: “amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste.” (Mateus 5:44,45).

 

Ao pensarmos sobre os que nos prejudicam, somos sábios em nos lembrarmos de nosso status anterior como inimigos de Deus (Romanos 5:10). Mas “Deus […] nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação”, escreveu Paulo (2 Coríntios 5:18). Agora temos uma obrigação santa. “ [Deus] nos confiou a palavra da reconciliação” (v.19). Nós devemos levar essa mensagem ao mundo.

 

As tensões raciais e políticas não são novidade. Mas a atitude da igreja jamais deve alimentar as divisões. Não devemos atacar os que diferem de nossos opositores ou quem possui opiniões diferentes, nem mesmo os que buscam a nossa destruição. Temos um “ministério da reconciliação”, que imita o coração de servo abnegado de Jesus.

 

O ódio destrói quem odeia tanto quanto quem é odiado. Martin Luther King Jr.

por Tim Gustafson