Domingo Laetare

Domingo Laetare

A Quaresma é um tempo penitencial, de oração, jejum e esmola, onde a cor litúrgica é o roxo. Todavia, temos, no decorrer deste tempo, um momento de júbilo, onde a cor litúrgica passa do roxo para o rosa. É o chamado "Domingo Laetare", ou "Domingo da Alegria", que ocorrerá neste próximo domingo (10/03). Mas, você sabe o por quê?

monsenhor_joao_cla_dias.jpg

O IV Domingo da Quaresma recebe estes nomes porque assim começa, neste dia, a Antífona de Entrada da Eucaristia: "Alegra-te Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais; vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações", conforme Isaías 66, 10-11.

 

A cor litúrgica passa do roxo para o rosa para representar a alegria pela proximidade da Páscoa.

 

Este domingo já foi chamado também de "Domingo das Rosas", pois, na antiguidade, os cristãos costumavam se presentear com rosas. E é aqui que surge a "Rosa de Ouro".

 

No século X surgiu, então, a tradição da "Bênção da Rosa", ocasião em que o Santo Padre, no IV Domingo da Quaresma, ia do Palácio de Latrão à Basílica Estacional de Santa Cruz de Jerusalém, levando na mão esquerda uma rosa de ouro que significava a alegria pela proximidade da Páscoa. Com a mão direita, o Papa abençoava a multidão. Regressando processionalmente a cavalo, o Papa tinha sua montaria conduzida pelo prefeito de Roma. Ao chegar, presenteava o prefeito com a rosa, em reconhecimento pelos seus atos de respeito e homenagem.

 

Daí, então, teve início o costume de oferecer a "Rosa de Ouro", para personalidades e autoridades que mantinham uma relação saudável com a Santa Sé, como príncipes, imperadores, reis...

rosa_de_ouro.jpg

Leão XIII enviou, em 1888, uma Rosa Áurea à princesa Isabel. Nos tempos modernos os papas costumam remeter este símbolo de afeto pessoal a santuários de destaque. Por exemplo, o Santuário de Nossa Senhora de Fátima, recebeu uma Rosa de Ouro de Paulo VI, em 1965, e a Basílica de Nossa Senhora Aparecida recebeu uma de Paulo VI, em 1967 e outra de Bento XVI, em 2007.