A força irresistível do chamado

A força irresistível do chamado

A força irresistível do chamado

Irmãos pensem no que vocês eram quando foram chamados. Poucos eram sábios segundo os padrões humanos; poucos eram poderosos; poucos eram de nobre nascimento. 1 Coríntios 1:26

Fique atento ao chamado de Deus. Todos os cristãos são igualmente chamados para testemunhar a PALAVRA DE DEUS. O que, entretanto, não é o mesmo que ser chamado para pregar, mas podemos dar testemunho da nossa vivência com Cristo, ao sorrirmos para um excluído e darmos a ela muito mais do que uma esmola quando falamos do amor de Jesus para todos, ao acalentarmos uma criança carente, deixando-a bem perto do seu peito, catando um canto alegre com palavras tiradas do Evangelho; ao darmos uma boa palavra de conforto para alguém que sente-se perdido em pensamentos e sentimentos negativos, quando contamos o que ouvimos na última missa. Em Lucas 14:12-15, podemos perceber a grandeza deste ato de doação ao respondermos o chamado de Deus para pregarmos o Evangelho: “Então Jesus disse ao que o tinha convidado: "Quando você der um banquete ou jantar, não convide seus amigos, irmãos ou parentes, nem seus vizinhos ricos; se o fizer, eles poderão também, por sua vez, convidá-lo, e assim você será recompensado. Mas, quando der um banquete, convide os pobres, os aleijados, os mancos, e os cegos. Feliz será você, porque estes não têm como retribuir. “A sua recompensa virá na ressurreição dos justos”. Ao ouvir isso, um dos que estavam à mesa com Jesus, disse-lhe: "Feliz será aquele que comer no banquete do Reino de Deus".

As palavras de Paulo têm a ver com a nossa transformação em servos de Jesus Cristo, e, nesse sentido, nossa permissão jamais é solicitada quanto ao que faremos nem para onde  iremos. Deus nos trata como o “pão partido” e o “vinho derramado” para o SEU agrado. Ser “separado para o evangelho” significa ser capacitado para ouvir o chamado de Deus (Romanos 1:1). Uma vez que alguém começa a ouvir esse chamado, produz-se um contentamento digno do nome de Cristo. De repente, toda a ambição, todos os desejos humanos e cada perspectiva são completamente apagados e extintos. Permanece apenas: “… separado para o evangelho…”. Ai da alma que tenta ir a qualquer outra direção uma vez tendo recebido esse chamado. A homilia na missa e os encontros em grupos das diversas pastorais existem para que cada um de nós possa saber com mais segurança se, de fato: Deus tem aqui um homem ou uma mulher que verdadeiramente tem amor pela proclamação do Seu evangelho e se consegue perceber as sinalizações de Deus nesse propósito. Cuidado com os demais apelos que tentarão competir com o chamado que Deus lhe deu!

 

Adaptado e inspirado a partir do texto de –Oswald Chambers