Parábolas

Parábolas

 

12. Sobreviver ou viver?

No passado, era comum a educação dos jovens por um mestre particular. Mestre e discípulo corriam o mundo aprendendo com as pessoas e as situações que encontravam pelo caminho.
Conta-se que um desses mestres passeava por uma floresta com seu fiel discípulo quando avistou ao longe um sítio de aparência pobre e resolveu fazer uma breve visita.
Durante o percurso, ele falou ao jovem sobre a importância das visitas e as oportunidades de aprendizado que temos, também com as pessoas que mal conhecemos.
Chegando no sítio, constatou a pobreza do lugar. Uma pequena casa de madeira, poucos móveis. Os moradores, um casal e três filhos, vestidos com roupas rasgadas e sujas.
Então se aproximou do homem mais velho, o pai daquela família, e perguntou:
- Neste lugar não há comércio e não há muitos sinais de trabalho, como o senhor e a sua família sobrevivem aqui?
E o senhor calmamente respondeu:
- Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto nós vendemos ou trocamos na cidade vizinha por outros gêneros de alimentos. Com a outra parte, nós produzimos queijo, coalhada etc. para o nosso consumo e assim vamos sobrevivendo.
O sábio agradeceu a informação, contemploi o lugar por uns momentos, depois se despediu e foi embora. No meio do caminho, voltou ao seu fiek discípulo e ordenou:
_ Aprendiz, pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali em frente e empurre-a. Jogue-a lá embaixo.
O jovem arregalou os olhos espantado e questionou o mestre sobre o fato de a vaquinha ser o único meio de sobrevivência daquela família, mas, como percebeu o silêncio absoluto do seu mestre, foi cumprir a ordem.
Empurrou a vaquinha morro abaixo e a viu morrer. Uma cena que atormentou o jovem por muito tempo.
Alguns anos mais tarde, fazendo o mesmo percurso, o aprendiz, já não tão jovem, resolveu voltar àquela casa para ver como estava a família que ele pensou ter destruído, ao acabar com o único meio de sobrevivência que tinham: a vaquinha
Quando se aproximou do local, avistou um sítio muito bonito, com árvores floridas, todo murado, com uma grande carroça e algumas crianças brincando no jardim. Ficou triste e deseperado, pois pensou quie aquela humilde família tivera que vender o sítio para sobreviver. Apertou o passo e logo que chegou foi recebido por um caseiro muito simpático. Perguntou sobre a família que ali morava há alguns anos.
- Continuam morando aqui, respondeu o caseiro.
Espantado e incrédulo, ele entrou correndo na casa e viu que era mesmo a família que visitara antes com o mestre. Elogiou o local e perguntou ao dono da casa, o velho dono da vaquinha:
- Como o senhor melhorou o sítio e está bem de vida?
E o senhor lhe respondeu:
- Houve um tempo em que tínhamos uma vaquinha, ams ela caiu no precipício e morreu. Daí em diante, começamos a plantar, cuidar das fruteiras, da horta, fazer alguns instrumentos e outras coisas manualmente... Tivemos de fazer outras coisas e desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos. E aprendemos muito!

Para refletir

O comodismo impede qualquer um de crescer. Quando nos entregamos à rotina, não temos forças apra transformar nossa vida, para buscar algo novo, diferente, maior, melhor.
Precisamos de uma situação extrema que nos desinstale, que nos desequikibre para agir, para conseguir mudar de vida. Diversas experiências podem levar a isso, mas devemos saber aproveitar as oportunidades e saber criar oprotunidades. Se esperarmos a sorte ou o acaso para mudar nossa vida, poderemos esperar tempo demais e perder muita coisa boa da vida.

Para trabalharmos em nossas vidas

Qual é a "vaquinha" do meu "sítio"? O que preciso para parar de "sobreviver" e começar a "viver"? Já passei por uma transformação semelhante à da família do conto? Se sim, como foi e o que a motivou? Se não, o que estou esperando? O que me impede?

Superação, esforço, transformação, força de vontade, habilidades, aprendizagem, pensamento positivo, determinação, motivação, ânimo, maturidade, atitude, personalidade, tabalho em equipe....