Um alongamento

Um alongamento

Leia: 1 João 2:24–3:3; Ezequiel 45–46; 1 João 2

Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus… —1 João 3:1

Por muitos anos, Sara sentiu dores na coluna lombar que pioravam cada vez mais. O seu médico a encaminhou para a fisioterapia e ela recebia 25 alongamentos para fazer diariamente. A dor diminuiu, mas não por completo. Assim, o médico pediu um raio-X e a enviou para outro terapeuta, que a instruiu a interromper os alongamentos do outro profissional e fazer apenas um alongamento por dia conforme necessário. Surpreendentemente, aquele simples alongamento funcionou melhor.

 

Algumas vezes as verdades mais simples são as melhores. Quando pediram a Karl Barth para resumir em uma frase todo o trabalho teológico de sua vida, ele respondeu: “Jesus me ama!” Alguns dizem que ele acrescentou, “Isto eu sei, pois a Bíblia assim me diz.”

 

O amor de Deus por nós é evidente. Ele deu o Seu Filho para nos resgatar de nós mesmos. Cristo morreu na cruz, levando o fardo de nosso pecado, e em seguida, Ele ressuscitou, dando-nos nova vida nele. Amor maravilhoso! Como João nos diz: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus…” (1 João 3:1).

 

Naturalmente, o amor de Jesus por nós não é um curativo ou um “elixir” para todos os problemas da vida. No entanto, é a única verdade em que podemos sempre nos amparar para adquirir um propósito na vida e ter paz com Deus.

 

É maravilhoso pensar que Jesus me ama.

por Anne Cetas