O Espírito Santo em nós - Parte III

O Espírito Santo em nós - Parte III

O Espírito Santo fala conosco

Mas, agora, e quanto aos nossos pecados atuais, os pecados que Deus talvez esteja levando à nossa atenção?

 

A maneira pela qual Deus me faz entender como estou pecando, mais do que qualquer outra, é através dos meus relacionamentos. Tive um relacionamento na minha vida que me atormentou por anos. Essa pessoa me magoou tanto que eu cheguei a pensar: “Se você vai estar no céu, então nem quero ir para lá”. Eu estava apontando o meu dedo para essa pessoa. Estava sendo crítica. Estava julgando. Estava encontrando falhas. Eu não tinha nada de bom a dizer sobre ela. E durante todo o tempo, eu me justificava.

 

Então, um dia, durante a homilia ao ouvir estas palavras de Lucas 18.9: “A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola”. Eu percebi que estava olhando para essa pessoa com desprezo.

 

Esta aqui foi à parábola que Jesus contou: “Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu (líderes religiosos arrogantes e hipócritas da época de Jesus) e o outro, publicano (em geral corruptos, cobravam impostos excessivos, eram odiados por todos). O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho’. “Mas o publicano ficou à distância”. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’”.

 

Entendia a explicação de Jesus nesta  parábola : “Eu lhes digo que este homem (o que disse ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’), e não o outro foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado”.

 

Quandor mais tarde sozinha no meu quarto reli esta passagem, exclamei: “Ó Senhor, estou agindo como os fariseus. Que horror! Estou olhando para essa pessoa com desprezo!” Percebi que precisava olhar para o meu coração. E quando fiz isso, comecei a enxergar inveja, falta de amor, orgulho, raiva, julgamento, apontarão de dedos. Então li o texto de Gálatas 5.16-23: “Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne (...). Ora, as obras (ou frutos) da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes (...). Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei”. (...)

Texto adaptado de Ney Bailey