08 de janeiro de 2019

08 de janeiro de 2019

08 de janeiro

Não é fácil reconhecer, consigo mesmo, que alguém “não quer” fazer as coisas; é  nossos deveres.
A desculpa mais fácil é dizer “Não posso”, e com essa desculpa já ficamos tranqüilos; em nosso íntimo, porém, sabemos muito bem que não é certo que não podemos; e assim tratamos de tranqüilizar-nos, dizendo a segunda desculpa também não chega a tranqüilizar nossa consciência, então de novo apontamos para a realização, com um tímido “Creio que não posso”
Restam finalmente os três últimos lances antes de chegar à realização da obra, se fizesse tudo quanto pode, você mesmo ficaria assombrado ao ver do que você é capaz; agora deixo com você minha pergunta: e, se você pode muito mais do que está fazendo, não estará obrigado a fazê-lo?

Se Cristo conta com você, acaso pode frustrá-lo? Não se esqueça de que o único santo que existe é a vontade de Deus, Quando Paulo é derrubado do cavalo pelo Espírito de Deus, responde: “Senhor, que devo fazer?” (At 22,10).
Vá hoje mesmo ao Sacrário e pergunte-lhe você mesmo. Escute o que Ele vai lhe responder.
Não sei o que vale minha vida,
Mas a Cristo a quero entregar;
Sei muito bem que seu amor em recebe,
E em suas mãos a venho deixar.