Devemos lutar contra toda forma de violência?

Devemos lutar contra toda forma de violência?

Quais são as formas de violência?

A cada dia é noticiado, pelos meios de comunicação, o aumento da violência contra as pessoas que se concretizam com um número cada vez mais crescente de mortes. São várias as formas de violência contra a pessoa, o aborto, os roubos, os sequestros, o desrespeito no trânsito, as agressões, os homicídios, a corrupção, o abandono nas ruas, a falta de condições de saúde, o tráfico de drogas e de pessoas, a exploração de menores etc., é a vida humana que está sendo agredida e violada.

udo isso constitui uma violência e uma ofensa grave contra a igualdade, a dignidade e os direitos fundamentais da pessoa humana. Em uma sociedade onde a violência cresce todos os dias e a vida é sempre mais desrespeitada, o homicídio aparece como uma das formas mais cruéis de violência contra a vida humana, crime que brada aos céus. Qualquer tipo de violência contra a pessoa é absolutamente de condenar e rejeitar com firmeza, e não agrada a Deus. A pessoa humana criada à “imagem e semelhança de Deus” não está sendo respeitada em sua dignidade.

 

Conforme a Carta Encíclica Evangelium Vitae, “algumas ameaças, atentados à vida, provêm da própria natureza; outras, ao contrário, são frutos de situações de violência, de ódio, de interesses contrapostos, que induzem homens a agredirem outros homens com homicídios, guerras, massacres, genocídios”.

 

Onde nasce a violência?

A violência tem a sua origem no reduto de maldade do coração humano. Nasce do ódio, da vingança, da ambição etc. Outras vezes, vem acompanhada, quase inevitavelmente, de uma vida de marginalização social. O Catecismo da Igreja Católica (no 2302) afirma: ao lembrar o preceito “Tu não matarás” (Mt 5,21), Nosso Senhor pede a paz do coração e denuncia a imoralidade da cólera assassina e do ódio. Se o ódio chega ao desejo deliberado de matar o próximo ou de feri-lo com gravidade, atenta gravemente contra a caridade, constituindo pecado mortal.

 

O Senhor disse: “Todo aquele que se encolerizar contra seu irmão terá de responder no tribunal” (Mt 5,22). Ainda no número 2269, “o quinto mandamento proíbe que se faça algo com a intenção de provocar indiretamente a morte de uma pessoa”.

 

A violência contra o próximo é contrária à caridade e é um pecado grave quando se lhe deseja livremente um grave dano. Diz Jesus: “Eu, porém, vos digo: amai vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; desse modo, vos tornareis filhos de vosso Pai que esta nos céus…” (Mt 5,44-45). O respeito pela vida humana exige a não violência e a promoção da paz. A paz não é somente ausência de guerra, é também o respeito pela vida do outro e como declara o próprio Cristo, “bem-aventurados os que promovem a paz” (Mt 5,9).

 

O mandamento “não matarás” proíbe a destruição da vida humana. Qualquer ação de violência que tem em vista a destruição da vida humana é um crime contra Deus e contra o próprio homem a ser condenado com firmeza e sem hesitações. O assassino e os que cooperam voluntariamente com o assassinato cometem um pecado que clama ao céu por justiça. Para muitos, a vida do homem “não vale nada” e é apreciada com uma desconsideração espantosa. Tudo o que viola a integridade da pessoa humana é efetivamente digno de proibição. As práticas que agridem a pessoa infeccionam a civilização humana, desonram mais os que se comportam dessa maneira, do que aqueles que padecem tais injúrias. E contradizem, sobremaneira, a honra do Criador.

 

Promotores da paz e do respeito

Tirar a vida de um ser humano é invadir o santuário mais sagrado da dignidade humana. Quem mata se torna escravo da morte, e o reino da morte é contrário ao Deus da vida. Mesmo quando se julga ter milhões de argumentos, não há nenhum argumento que valha mais do que a vida de uma pessoa, que é sagrada, porque ele é filho de Deus e membro do corpo de Cristo.

 

Na Constituição Pastoral Gaudiumet Spes, o Concílio destaca o respeito ao homem, que cada um respeite o próximo como “outro eu”, sem excetuar nenhum, levando em consideração, antes de tudo, a sua vida e os meios necessários para mantê-la dignamente. Sobretudo nos nossos tempos, temos a obrigação de nos tornarmos promotores da paz e do respeito aos irmãos e irmãs recordando a voz do Senhor:

 

“Todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim é que fizestes” (Mt 25,40). Cada cidadão e cada governante deve agir de modo a evitar todas as formas de violência contra as pessoas. O Papa João Paulo II afirma a existência de sinais de esperança, em muitos setores da sociedade, de uma nova sensibilidade cada vez mais contrária a toda forma de violência, uma sociedade sempre mais inclinada à busca de instrumentos eficazes, mas “não violentos”, para promover o respeito, a justiça e a paz.

Padre Mário Marcelo