Sejamos o evangelho vivo que as pessoas irão ler - Parte IV

Sejamos o evangelho vivo que as pessoas irão ler - Parte IV

3. SERÁ QUE VOCÊ TEM MEDO DO QUE AS PESSOAS VÃO PENSAR A SEU RESPEITO POR SER UM SEGUIDOR DE JESUS?

Muitas vezes na escola e na faculdade eu tive vergonha de dizer que era cristão. Por que será que fazemos isso? Paulo escreve em Romanos 1.16-17:

 

“Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá pela fé”.

 

Se realmente entendemos quem é Jesus e o que Ele fez por nossas vidas, não devemos nos envergonhar o evangelho.

 

Em Atos, vemos que os apóstolos tinham anto orgulho de serem cristãos que estavam prontos a sofrerem grande violência por causa disso.

 

Atos 5.40-42: “Chamando os apóstolos, açoitaram-nos e, ordenando-lhes que não falassem em o nome de Jesus, os soltaram. E eles se retiraram do Sinédrio regozijando-se por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome”.

 

Em contraste com essa cena de Atos, nós também nos deparamos com Pedro que negou a Jesus por três vezes. Pedro, porém, foi restaurado e se tornou um grande apóstolo.

 

Se realmente entendemos quem é Jesus e o que Ele fez por nossas vidas, não devemos nos envergonhar do evangelho. Isso faz parte de andarmos na contramão.

 

Muitas pessoas dizem que não se adequam aos padrões do mundo moderno e se revoltam, criando suas ideologias. Quando essas pessoas fazem isso, porém, estão fazendo por motivos que pertencem a este mundo. Com os cristãos é diferente. Dizemos que não nos adequamos aos padrões do mundo moderno porque sequer pertencemos a este mundo.

Devemos olhar para o eterno, para a cruz de Cristo. Cristo entregou sua vida por nós, pagou um alto preço, para que vivêssemos de um modo digno daquilo que Ele nos ensinou (Ef 4.1), para que não nos conformássemos com este mundo, mas que fôssemos sal, o tempero dele.

 

Seja sal na sua escola, no seu trabalho, na sua família. Viva uma vida santa para Deus e não deixe sua identidade ser confundida com a do mundo. Ser cristão é andar na contramão.

 

* Texto adaptado de Jonathan Silveira é graduado em Direito pela Universidade São Francisco e mestre em Teologia