Seja um cristão verdadeiro

Seja um cristão verdadeiro

Existem grandes diferenças entre as pessoas que se dizem cristãs. “Se pensarmos em todos os Cristãos” – de quantos podemos dizer que realmente glorificam a Deus com sua vida?

 

Não é difícil se tornar um cristão, e também não deveria ser. Mas podemos dizer que todos os “Cristãos“ vão herdar o reino dos céus?

 

O que se pede destes que querem ser cristãos? Primeiro você deveria querer ser um cristão verdadeiro e então se decidir por ser um. Muitas pessoas cresceram como “cristãos“ e mesmo assim não deixaram completamente a sua própria vida. No fundo do seu interior eles sempre tem uma consciência ruim.

 

Para muitos o cristianismo é apenas espetáculo perante as pessoas. Mas o que tem contigo?

 

Pense sobre tua vida

“Você precisa tornar em si e, tornando em si, disse: […] Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai […].“ Lucas 15,17-18. Se você vive a chamada vida de cristão, como um pecador, você está a se  iludir. Pense nisso. Na realidade você não quer viver assim! Você não gostaria de viver exteriormente como se você fosse um cristão, mas no interior você sabe que o pecado te domina. Talvez você está preso no amor ao dinheiro ou nos pensamentos impuros? Talvez você saiba que é um preguiçoso, ou que através do teu cristianismo apenas quer receber se destacar na frente das pessoas! Você tem se acostumado a viver uma vida que nas profundezas do coração, em verdade não gostarias de viver.

Pense sobre a sua vida. Da mesma forma como o filho pródigo pode dizer: “Por que eu tenho que viver assim?“ Porque ser infeliz, sentir-se julgado pela consciência e estar distante de Deus? Você pode viver honestamente diante de Deus, com o Espírito Santo como teu guia.

 

O reconhecimento

Reconheça teu pecado. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.“ 1. João 1, 9. Tanto Jesus como também Pedro recomendam cessar com o pecado. (João 8, 11, 1. Coríntios 15, 34). “Qualquer que permanece nele não peca“. 1. João 3, 6. Muitos cristãos não se esforçam em cessar com os pecados. O cristianismo deles é suficiente apenas para tranquilizar suas consciências. Alguns são tão endurecidos que utilizam a sua religiosidade para granjear bens materiais. Muitos forjam todos os planos possíveis para conseguir dinheiro, e o fazem para que pareçam cristãos piedosos. Na verdade eles estão satisfeitos com a sua vida luxuosa e cheia de ostentação  mas  querem escapar sem serem castigados, de seus “planos inteligentes”, doando alguma soma a instituições como se isso fosse usufruir benignamente do dinheiro, por exemplo. Não há mal e nem pecado algum ter dinheiro e lutar para construir uma vida confortável, mas o problema é que muitos de nós nos esquecemos até dos mais próximos a nós e passamos a viver uma vida egoísta.

 

Se você está aflito porque reconheces que como cristão ainda peca, e ainda não chegou a uma vida de vitória sobre o pecado, há esperança para você. Se você tem anseio verdadeiro de vencer o pecado, então está pronto a entregar sua vida totalmente a Deus!  Se está cheio do pecado, então pode vir a Jesus Cristo misericordioso, que pode te ajudar a si mesmo, e por consequência ajudar amorosamente seu próximo.

 

Honestidade absoluta

Você precisa ser absolutamente honesto contigo e para com Deus. Talvez você é inteligente e dotado e consegues enganar as pessoas, se passando por um bom cristão. Mas não podes enganar a Deus. O pecado nos distancia de Deus. Deus é poderoso para te ajudar, se está disposto a não pecar mais e entregar toda a tua vida a ele. Jesus veio ao mundo para nos salvar dos nossos pecados.

Existem grandes diferenças entre as pessoas que se dizem cristãs.  Se pensamos em todos os "Cristãos“  – de quantos podemos dizer que realmente glorificam a Deus com sua vida? Não é difícil se tornar um cristão, basta amar como Jesus amou, ser manso e compassivo, e manter um dialogo permente com Deus nosso Pai, vivendo para ELE, para nós com vida em abundância e com empatia pelo mais necessitado!

Escrito por Tielman Slabbert