Como devo me preparar para a Quaresma? Parte II

Como devo me preparar para a Quaresma? Parte II

A Meditação da Palavra de Deus

Este é um tempo de escuta mais atenta da Palavra: o homem não vive somente de pão, mas de toda Palavra saída da boca de Deus. Seria muitíssimo recomendável ler durante este tempo o Livro do Êxodo ou o Profeta Jeremias ou Oséias ou, ainda, um dos Evangelhos ou a Epístola aos Romanos.

 

A Conversão

“Eis o tempo da conversão!”, diz-nos São Paulo. Que cada um veja um vício, um ponto fraco, que o afasta de Cristo, e procure lutar, combatê-lo nesta Quaresma! É o que a Tradição ascética de Igreja chama de “combate espiritual” e “luta contra os demônios”. Nossos demônios são nossos vícios, nossas más tendências, que precisam ser combatidas.

 

Os antigos davam o nome de sete demônios principais (sete vícios capitais): a soberba, a avareza, a tristeza (hoje diz-se a inveja), a preguiça, a ira, a gula, a sensualidade. Estes demônios geram outros.

 

Na Quaresma, é necessário identificar aqueles que são mais fortes em nós e combatê-los!

 

Como é a Liturgia durante a Quaresma?

 

Este tempo sagrado é marcado por alguns sinais especiais nas celebrações da Igreja:

A cor da liturgia é o roxo – sinal de sobriedade, penitência e conversão;

Não se canta o Glória nas missas (exceto nas solenidades, quando houver);

Não se canta o aleluia que, sinal de alegria e júbilo, somente será cantado outra vez na Páscoa da Ressurreição (isto vale mesmo para as festas e solenidades);

Os cantos da Missa devem ter uma melodia simples e tratarem dos temas quaresmais; não é permitido que se toque nenhum instrumento musical, a não ser para sustentar o canto, em sinal de jejum dos nossos ouvidos, que devem ser mais atentos à Palavra de Deus; um bom costume é que o Credo, o Santo, o Pai-nosso e o Cordeiro e as respostas da Oração Eucarística sejam recitados, não cantados

Não é permitido usar flores nos altares, em sinal de despojamento e penitência (nos casamentos e outras festas as igrejas, devem ser enfeitadas com muita sobriedade!);

A partir da quinta semana da Quaresma podem-se cobrir de roxo ou branco as imagens, em sinal de jejum dos sentido, sobretudo dos olhos. Onde o costume for já cobri-las na Quarta-feira de Cinzas, é ótimo que se conserve assim!

O importante é que todas estas práticas nos levem a uma preparação séria e empenhada para o essencial: a Páscoa!

As observâncias quaresmais não são atos folclóricos, mas instrumentos para nos fazer crescer no processo de conversão que nos leva ao conhecimento espiritual e ao amor de Cristo. Tenhamos em vista que o ponto alto do caminho quaresmal é a renovação das promessas batismais na Santa Vigília pascal e a celebração da Eucaristia de Páscoa nesta mesma Noite Santa, virada do sábado para o Domingo da Ressurreição.

 

Empenhemo-nos sincera e devidamente nas práticas quaresmais. Elas não são essenciais, mas são sinal concreto de que entramos de corpo e alma no caminho da conversão. Uma vida religiosa sem práticas concretas em comunidade, reguladas pela Igreja, é como um corpo sem vértebras: não se sustentará de pé e terminará por negar praticamente a realidade da Encarnação. O Verbo fez-Se carne, fez-Se matéria, “concretizou-Se”. O cristianismo é uma religião da alma e do corpo, das intenções e das práticas!

Senhor Jesus Cristo, seguindo o Teu caminho no deserto e preparando-me para celebrar dignamente a Tua santa Páscoa, suplico Teu misericordioso auxílio para as seguintes práticas quaresmais que me proponho fazer em Tua honra e para melhor ser Teu discípulo:

 

  1. Oração: (o que rezarei a mais durante este tempo, todos os dias)
  2. Jejum/penitência: (o que retirarei diariamente, exceto aos domingos, da minha alimentação)
  3. Esmola: (o que farei para ir ao encontro dos meus próximos, sobretudo praticando obras de misericórdia corporais e espirituais)
  4. Vício a combater: (quais das minhas más tendências combaterei nesta Quaresma, evitando as ocasiões, as situações e os atos)
  5. Livro da Escritura a ler: (que livro lerei completamente, de preferência o Êxodo ou Números ou Deuteronômio ou a Epístola aos Romanos)
  6. Leitura espiritual: (é recomendável também escolher um livro para leitura espiritual. Poderia ser o as Chamas de Amor a Jesus Cristo, Mostra-me teu Rosto ou O Silêncio de Maria, de Inácio Larrañaga, A Leitura de Deus, de Garcia Columbás, A Imitação de Cristo, de Tomás de Kempis, O Peregrino Russo…)